Título Exposição Memorial Naif mostra a simplicidade e liberdade dos traços
Matéria

- Campo Grande/MS - Está aberta a  exposição de artes plásticas 'Memorial Naif'. O trabalho faz parte do 'Projeto Território' e conta com a participação de cinco artistas de Campo Grande. A Galeria do Memorial da Cultura fica na avenida Fernando Correa da Costa, 559, no centro da capital.

"A palavra Naif é de origem francesa e quer dizer 'ingênua' ou 'primitiva'. "A gente não se preocupa em fazer tudo certinho, tudo sob medida. Pensamos numa situação e colocamos na tela, seja a óleo ou acrílico, com muita liberdade nos traços", disse Cecílio Vera, um dos expositores.

"O Projeto contra com obras de cinco artistas de Campo Grande. São pinturas que retratam variados temas, como a vida no campo; as festas folclóricas; o casamento; a religiosidade; ou ainda, a alegria das crianças no circo ou soltando pipas.

"Por meio desta técnica, é possível retratar o cotidiano das pessoas, com harmonia e força. "Nossos artistas Naifs conquistaram espaço no mercado nacional e um merecido reconhecimento no estado", comentou Marilena Grolli, a curadora da exposição e gestora de Artes e Cultura.

"Ela também explica que o artista Naif produz com liberdade sem limites formais e apresenta ainda uma forte ligação com a arte popular por sua simplicidade e ingenuidade nos traços. "Teremos artistas com criações autênticas, que mostram de forma verdadeira seu meio, suas críticas e seu dom", disse Marilena.

"Serão expostas obras, além de Cecílio Vera, de Jonir (que já divulgou a arte Naif no exterior e aborda as belezas do Pantanal); Jeudson Araujo, Lúcio Laranjeira e Ramão Lopes. A realização é da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul, por meio do Núcleo de Artes Visuais.

"Conheça os representantes da arte Naif

"Cecílio Vera começou a pintar em 1984. Já foi premiado em várias exposições, entre elas, num concurso do aniversário de 112 anos da capital, no mês de agosto. No Armazém Cultura, ele concorreu com obras no setor do meio ambiente (o lixo e a poluição dos rios).

"Vera também participa todos os anos da Bienal Naif de Piracicaba, no interior paulista. Por lá se concentra um tipo de 'pólo' desta técnica. "Para conseguir expor lá, o artista tem se classificar, tem que passar por uma grande seleção", contou Cecílio.

" "É a chamada arte popular ingênua, livre de regras. Usamos um talento que não segue determinadas técnicas específicas. A gente geralmente pinta o que tá em volta da gente, ou que vivemos no passado também", explicou o artista.

"Grupo Cores da Terra

"O grupo Cores da Terra existe há 10 anos e a exposição atual serve também como interação e troca de informações entre os artistas. Ramão Lopes começou a pintar há 13 anos, por influência do amigo Cecílio. "Arte Naif tem que passar sentimento, mostrar a emoção, sem os padrões conhecidos da arte" disse.

"Lopes lembra que já foi premiado na Bienal em Piracicaba, em 2002, com o trabalho "Play Center". Em 2008, também participou com tela sobre "Pan Rio 2007". Entre vários trabalhos, fez pinturas do relógio central de Campo Grande, da Estação Ferroviária e sobre a erva mate (tereré).

"O artista também participa neste ano do concurso "Talentos da Maturidade", para maiores de 60 anos que fazem Naif. Na edição atual, são mais de 20 mil concorrentes inscritos.

"São traços primitivos, porém diferenciados. Fazemos uma pintura simples sim, mas com criatividade também. Quem quiser, é só conferir", encerrou Ramão.

 

Fonte: Mídia Max

Data 08/11/2011
Utilizamos cookies para oferecer melhor experiência, melhorar o desempenho, analisar como você interage em nosso site e personalizar conteúdo. Ao utilizar este site, você concorda com o uso de cookies.